31 de jul de 2010

Europa de bike 2010 - Vídeo 2

Fiz o segundo vídeo, com partes que não estavam no primeiro. A maioria das imagens é da Suíça a Áustria. As partes com neve são de San Bernardino e Simplon Pass.

30 de jul de 2010

Europa de bike 2010 - Vídeo

Tô aproveitando a chuva e o frio aqui em Karlstad, Suécia, pra atualizar o blog. Finalmente tive saco paciência pra editar uma parte dos vídeos da viagem. Lidar com arquivo FullHD num netbook não é fácil, mas aí vai. Metade dos vídeos ainda ficou de fora mas quando tiver mais tempo faço outro. Esse aí é pra dizer que publiquei pelo menos um. Espero que gostem mesmo assim! =)

29 de jul de 2010

28/07 Karlskoga a Karlstad - 94km

Hoje foi o dia dos desvios. Olhando no mapa dá até raiva de ver o quanto eu tive que desviar, ahahahah... E a E18 ali, me sacaneando o trajeto todo... Menos mal que eu descobri em Kristinehamn (no meio do caminho) que o desvio não precisava ser tão longo assim já que existem novos trechos de ciclovia que andam paralelos à E18. Mesmo assim foi bem cansativo. Peguei subida, descida, reta, asfalto, pedra, terra, acostamento e ciclovia. Pedalei num ritmo forte o dia todo, aproveitando o tempo bom. Quando cheguei em Karlstad, o centro de informações turísticas estava fechando as portas mas ainda consegui um mapa e info sobre o hostel daqui e no fim deu tudo certo. À noite fui passear pelo centro, bem agitado pra uma cidade de apenas 55 mil habitantes. Voltei pro albergue e capotei na cama.



Exibir mapa ampliado

27/07 Örebro a Karlskoga - 65km

Tomei um café com o Wesley e saímos juntos. Ele ia de bike até o trabalho então pedalamos um pouco até nos despedirmos. Meu plano pra hoje era chegar em Karlstad mas depois de uns 50km descobri que não existe estrada secundária nem alternativa a E18, que é uma autoestrada e eu nao posso pedalar. Na falta de opção, arrisquei pedalar pela E18 mesmo, correndo o risco de ser parado e multado pela polícia. Já tava até com o discurso pronto pra me explicar quando eles me parassem mas não foi preciso, eheheh...

Uns 20km bem tensos depois e cheguei em Karlskoga, que fica bem no meio do caminho pra Karlstad. Parei num Mc (novidade) e vi pelo GoogleMaps que de Karlskoga a Karlstad eu teria que fazer uns desvios bem longos pra evitar a maldita E18, o que aumentaria - e muito - minha kilometragem pra hoje. Pra ter uma ideia, pela E18 de Örebro a Karlstad são 112km. Pelas estradas que eu tive que pegar, foram 160km, sem contar as subidas e descidas. E nos últimos 2 dias tenho passado por trechos montanhosos e o desgaste tem sido maior do que antes, quando era só planície o tempo todo. Então decidi dormir em Karlskoga mesmo e continuar no dia seguinte.

Essa foto foi especial: a primeira placa indicando a distância até Oslo, meu destino final na viagem. Falta pouco!


Exibir mapa ampliado

26/07 Katrineholm a Örebro - 86km

O tempo não melhorou muito de ontem pra hoje mas fui embora mesmo assim. Hoje minha parada era em Örebro, onde mora um amigo meu do colegial, o Wesley, com a esposa Cristina e o filho Gabriel, que vai fazer um ano esses dias. Combinei com ele de a gente se encontrar na saída da empresa onde ele trabalha e irmos pedalando até a casa. A viagem foi com muita chuva e frio e logo no começo fiquei confuso quanto a distância total de Katrineholm e Örebro. Pelo GoogleMaps a distância era 77km mas depois de vários kms saindo de Katrineholm vi uma placa na estrada ainda indicando 95km. Um dos dois estava errado ou talvez a placa se referia a um caminho alternativo pela autoestrada, que eu não pegaria. No GoogleMaps eu sempre uso a opção "evitar rodovias" pra que ele trace o trajeto realista, indicando aquelas estradas em que eu posso andar com a bike. Conforme fui chegando em Örebro, vi que a kilometragem do Google estava certa mesmo.

Cheguei direto na praça principal da cidade e logo de cara achei o McDonald´s. Se você quiser saber se está no centro de uma cidade, procure sempre por um Mc. É sempre contruído nas áreas mais visitadas/importantes da cidade, incrível. Já ouvi dizerem inclusive que o negócio do Mc é imobiliário e não fastfood. Vá em qualquer capital do mundo, grande ou pequena, e me diga se não existe um Mc a no máximo 100m do principal ponto da cidade. No fim nem entrei no Mc e fiquei roubando o wifi do lado de fora mesmo, em pé. Do meu lado na calçada tinha um monte de moleque (acho que tinham saído da escola) e estavam bagunçando na rua, gritando e tal, coisa de adolescente. E eu ali, quieto, com o netbook na mão. Não deu 1 minuto e chegou uma van da polícia, que parou na porta do Mc. Desceram uns 8 policias, todos educados mas sérios e começaram a conversar com um dos moleques ali, ahahah... Na hora eles baixaram a bola, vi gente de dentro do Mc rindo. Nada de mais, mas foi legal ver como a polícia está sempre atenta e é ágil pra cacete, mesmo pra pequenas ocorrências como essa. Assim que eles começaram a dispersar, uma meia dúzia percebeu que eu estava ali com a bike e tudo e começaram a puxar papo em sueco. Eu falei que não falava sueco e eles começaram a falar em inglês e, pra variar, quando eu disse que era do Brasil a primeira reação foi "Ronaldinho! Kaká!", ahahahah... Um deles me disse que era primo do Ibrahimovic (Zlatan, como eles chamam por aqui, pelo primeiro nome), ehehheh...

Örebro é uma cidade relativamente grande, muito tranquila, organizada e moderna. Não sei porque mas gostei mais de Örebro do que das outras cidades que passei até então aqui na Suécia. Acho que tô realmente enjoado de cidade pequena, ahahahahah...

Bom, saí de lá e fui pra Atlas Copco, a empresa onde o Wesley trabalha. Me encontrei com ele e fomos pedalando até a casa onde ele mora e conheci a esposa e o filho. Na hora que cheguei, alguns amigos deles de Campinas, que tinham ido passar as férias na Escandinávia, estavam indo embora. Conversamos rápido e me despedi deles. Depois fui com o Wesley para um churrasco na casa do sogro e sogra dele, que são suecos mas moraram no Brasil por 30 anos. Vários outros brasileiros também foram nesse churrasco, todos com alguma ligação ou parentesco entre Suécia e Brasil. Todos muito gentis comigo! Conversamos bastante sobre a Suécia, sobre viagens e falamos mal do Brasil também, ahahhah... Muito legal o pessoal todo lá, fiquei grato pela gentileza e receptividade. Voltamos pra casa do Wesley e tentei dormir o mais cedo. No dia seguinte tinha mais pedal. Falta pouco mais ainda não terminou! rs

Saindo do Hostel em Katrineholm
Essa foto ficou engraçada porque sem querer acabei tirando bem na hora que um carro parou pra entrar numa estrada à esquerda, fazendo com que os que vinham atrás parassem. Nada de congestionamento por ali, pode ter certeza, rs
Chegando em Örebro, mais cedo do que eu imaginava


Exibir mapa ampliado

25/07 Katrineholm

Claro que o tempo não ajudou e acabei ficando mais um dia em Katrineholm. Andei pela região do hostel com o Viktor, o sueco de Stockholm que dividiu o quarto comigo. Nem tirei fotos porque o tempo estava bem desanimador. Aproveitei então pra descansar pro dia seguinte. O ruim do albergue é que ele fica afastado da cidade então não dá pra ir à pé muito fácil. O lugar é gostoso, com sol, pois fica na beira de um lago legal, cheio de verde em volta mas com chuva não tem nada pra fazer. No fim da tarde decidi sair um pouco - mesmo debaixo de chuva - e pedalei até o centro. Fiquei no McDonald´s umas 2 horas, tomando um café e usando wifi. Apesar de parecer um programa de índio, posso afirmar pra você que isso era o que dava pra fazer de mais interessante na cidade, ahahah... Todo o comércio fechado, as ruas desertas, só um ou outro carro circulando.

Na volta, estacionei a bike num lugar mais ou menos coberto pra que não molhasse tanto as partes íntimas da coitada, como o câmbio e toda a transmissão. Queria evitar que a lubrificação saísse com a água, meio tarde talvez. Já senti aquele barulho peculiar de metal com metal quando falta lubrificante na corrente a água também faz acumular mais sujeira no meio dos cassetes, cabos e nas partes articuladas. Nada que seja um problema pra amanhã. Fazendo sol, o resto eu dou jeito!

27 de jul de 2010

24/07 Gnesta a Katrineholm - 78km

Acordei com frio e chuva e mudei meu plano antes de sair. Inicialmente queria chegar em Örebro hoje, que fica a 140km de Gnesta, cheguei inclusive a tentar algum CS por lá, sem resposta. Pra uma distância assim, você tem que ter todas as condições favoráveis, que não foi o caso. Primeiro: frio com chuva. Segundo: a estrada é o tempo todo um sobe e desce sem fim, que não dá pra manter um ritmo de pedal bom. Fiquei mudando de marcha o tempo todo entre a descida e a subida e isso acaba desgastando mais que o normal. Terceiro: cansaço de ontem, depois de ter ficado 5 dias sem pedalar. Quarto e último, pra ajudar: vento contra, eheheh.

Desisti literalmente no meio do caminho, em Katrineholm, uma cidade que fica a 70km de Gnesta e 70km de Örebro. Achei um albergue ruim (rs) e barato aqui, 21 euros com café da manhã e dividi um quarto no porão com um sueco. Amanhã chego em Örebro se o tempo ajudar!




Exibir mapa ampliado

23/07 Stockholm a Gnesta - 90km

Fui embora do albergue com destino a Gnesta, uma cidadezinha no caminho pra Örebro (que fica no meio do caminho pra Oslo). A viagem foi um pouco sem graça porque foi a primeira vez que eu voltei pela mesma estrada que fui. Saindo de Stockholm eu tinha poucas opções então resolvi seguir esse caminho mesmo. Por isso mesmo quase não tirei fotos. Só nos kms finais é que entrei numa estrada diferente que ia até Gnesta. Cheguei na cidade e fui procurar um bed&breakfast, já que não existe albergue lá. Achei um (acho que o único lá) que não era barato (40 euros) mas era o que tinha. A recepção era num restaurante e a casa onde ficavam os quartos ficava a uns 100m dali, na mesma rua, perto de um lago. Legal o lugar, apesar de não ter NADA pra fazer, eheheheheh... Mais tarde fui até esse restaurante, onde tive acesso à internet e ganhei o dia... =) Tô um pouco enjoado das paisagens por aqui, parece que nessa região tudo é mais ou menos a mesma coisa, planícies com pequenos morros, a vegetação é a mesma, as cidades bem parecidas e tal. Não que isso seja ruim, mas se você está pedalando todo dia é legal variar um pouco a paisagem, coisa que acontecia na maioria dos lugares que eu passei antes.



Exibir mapa ampliado

19, 20, 21 e 22/07 Stockholm

Fiquei vários dias em Stockholm e, como em Copenhagen e Budapest, andei pela cidade sem muita preocupação em conhecer todos os pontos turísticos. Aliás, Stockholm não tem muita coisa pra ver ou fazer se comparado com as outras capitais da Europa. Não tirei muitas fotos e descansei no albergue alguns dias. Lá conheci o Thiago, um carioca gente finíssima que tá viajando pela Ásia e Europa faz 10 meses. O cara esteve em tudo que é canto do sudeste asiático e agora vai andar pela Europa pelos próximos 2 meses antes de voltar pro Brasil. Nossa impressão sobre Stockholm foi a mesma: uma cidade meio parada e caríssima. Eu esperava um pouco mais, talvez por ser a capital do país, mas não me surpreendi com muita coisa por lá não. Vale a pena conhecer, claro, mas acho que eu não precisaria de tantos dias lá.