2 de jun de 2010

31/05 San Bernardino a Thüsis - 56km

O sol na janela logo cedo fez com eu acordasse bem animado. Até separei a bermuda de ciclismo pensando - otimista - no PUTA CALOR que faria hoje. Mas ontem o Eduardo me contou que existe uma diferença de uns 10 graus entre Bellinzona (lá embaixo do vale) e San Bernardino (1600m) e outros 10 graus entre San Bernardino e o passo. Lembrei disso e, só pra garantir, fui com a calça de ciclismo mesmo. Me despedi deles e segui viagem rumo ao passo. Nos primeiros 500m já vesti a capa de chuva pra cortar o vento. Depois de 3km, já subindo a montanha, usei uma camiseta como bandana na cabeça, pra proteger o rosto e o ouvido do vento gelado. Um km depois, começou a NEVAR. Com tudo isso, até esqueci da inclinação da subida. A parte boa é que a subida mantém o corpo bem quente e aí você aguenta melhor o frio. Depois de uns 5 kms, comecei a perceber que o topo tava próximo. A visão lá de cima era muito legal, pena que tava nublado. A cada minuto que eu pedalava, comcei a sentir a temperatura cair mais e mais, a ponto de começar realmente a incomodar. Já no último km pra chegar ao topo, veio o que faltava: chuva e um vento contra que era tão forte que praticamente eu não conseguia sair do lugar. Quando ele batia de lado, a bike saía da direção e tive que ficar esperto pra não cair. Um pouco depois cheguei ao topo, finalmente: 2066m! O vento era quase insuportável e achei um canto ao lado de um restaurante onde o vento não batia, pra poder tomar uma água, descansar um pouco e colocar minha outra jaqueta pra proteger do vento e do frio na descida que tava por vir. A região do topo do passo é bonita pra caralho, apesar de ainda ter muito gelo acumulado do inverno e do tempo estar encoberto. Num dia de sol seria uma paisagem e tanto. Não quis enrolar muito no topo pra não deixar o corpo esfriar muito e assim que começou a descida o vento ficou PIOR ainda e o frio também. Com certeza estava alguns graus abaixo de zero e a neve ainda caia. Por bem ou por mal, tinha que ir embora dali. O problema com a descida é 1) você para de pedalar e o corpo esfria e 2) o vento é maior por causa da velocidade que a bike pega. Então não sei o que pior: ir devagar pra não ventar tanto ou ir o mais rápido possível pra chegar logo embaixo... A descida tinha uns 5 kms de zig-zags, até chegar ao meio do vale novamente, onde a estrada encontra a chegada do túnel que vem de San Bernardino. Ali a temperatura ainda estava baixa, e senti a ponta dos dedos arderem de frio. Aos poucos meu corpo foi esquentando e a sensação de frio foi passando. Quando vi, já tava em Splügen, uma cidadezinha no caminho pra Thüsis. Vi um hotel com restaurante e duas bikes carregadas estacionadas ali na frente e decidi parar pra almoçar lá também. Comi um spaghetti à bolonhesa e tomei um café bem quente pra esquentar. Segui viagem por dentro do vale, quase sempre no plano e passei por Andeer e outros vilarejos, até finalmente entrar no trecho da Viamala, que é o nome do vale naquela região antes de Thüsis. A paisagem é bem diferente, a estrada corta umas partes que parecem canions, com um monte de cachoeiras altas, rios cruzando o vale lá embaixo, paredes de rocha com sei lá quantos metros de altura, coisas que até então eu não tinha visto muito por aqui. Cheguei em Thüsis (2 mil habitantes) e perdi um tempo pra achar um hotel bom e barato, mas no fim encontrei um por 50 CHF, muito limpo e novo, na avenida principal da cidade (errrr... a cidade só tem uma avenida). A noite fui comer uma pizza num restaurante ali perto e valeu pelo passeio. Claro que sai um pouco mais caro comer em restaurantes do que em casa mas acho que vale a pena pela chance de você andar um pouco pela cidade, conhecer o lugar um pouco melhor, ver e ouvir as pessoas na rua etc. E comer sempre é um bom pretexto pra isso. Às vezes não dá muita vontade porque tem dia que chego mais cansado no hotel e no fim nem tenho vontade de sair à noite. Quando é assim, aproveito um pouco da manhã do dia seguinte pra ver alguma da cidade antes de ir embora. Amanhã sigo pra Bergün, minha parada antes de atravessar o Albulapass.

Um comentário:

  1. Oi! Tenho acompanhado teu blog diarimente. Estou adorando (e me inspirando, o que é melhor)! Boa sorte! Vou continuar aqui... viajando ctg.

    ResponderExcluir