25 de dez de 2009

Cicloturismo - Dúvidas comuns

Relatei aqui no blog as escolhas que fiz na preparação da bike para minha viagem. Precisei analisar vários aspectos pra cada um dos itens. Muitas das escolhas são técnicas e muitas outras são simplesmente por conta de gostos e preferências pessoais. Talvez por isso que não existam 2 bikes exatamente iguais no cicloturismo. Cada um monta sua bike como prefere, de acordo com seu orçamento, duração da viagem, tipo de viagem, conforto, etc. Muitas das dúvidas que eu tive (e resolvi) estão listadas abaixo:

O que é melhor? Alforje ou carrinho (trailer)?

Vou com 2 alforjes traseiros, dois dianteiros e uma mochila de guidão (handlebar bag). Cada um tem suas vantagens. O carrinho pode ser facilmente desengatado da bike, de forma que ela fique leve e ágil pra outros usos que não seja a viagem em si. Isso te dá liberdade de fazer pequenos trajetos ou trilhas durante sua viagem. Por exemplo, você pode deixar o carrinho num hotel/pousada e sair de manhã para fazer sua trilha com a bike durante o dia todo, sem ter que carregar nada além do necessário.


Bike com carrinho

Por outro lado, ele exige um cuidado maior na direção da bike, já que o centro de gravidade e estabilidade ficam alterados. Você também passa a ter maior atenção com buracos pois a roda menor pode sofrer mais para passar em obstáculos mais difíceis. Por tornar a bike mais longa, estacionar com o carrinho em certos lugares pode não ser tão simples do que uma bike com alforjes. Eu optei pelos alforjes por preferir a bike mais compacta, num "bloco" só, e por saber que queria levar o mínimo possível de bagagem.

Acho que o carrinho, apesar dos benefícios, pode incentivar você a incluir mais itens na bagagem, simplesmente por te dar mais espaço. Tem gente que vai com o carrinho e os alforjes (imagine o peso!) mas aí eu já acho que tem algo de errado na lista de itens que o cara tá levando na bagagem... rsrs Mas, mais uma vez, apenas uma questão de preferência pessoal. Se você acha necessário levar tudo isso de carga, vá em frente.

Rodas 26" ou 700c?

Optei pelas rodas/pneus de 26" simplesmente por serem as mais populares. É muito mais fácil encontrar um pneu 26" em lojas em qualquer lugar do mundo. Pra quem não sabe, as rodas 700c são maiores, equivalentes à 27", como as da Caloi 10. Especialmente no Brasil, é difícil encontrar opções de pneus 700c de larguras maiores, próprias para cicloturismo. Como minha MTB usa rodas 26", a adaptação ficaria ruim pelo espaço limitado entre as rodas e o garfo, o seat tube, o ajuste dos pivôs dos freios, etc. Não tenho dúvida de que se eu tivesse condição de comprar uma bike específica pra cicloturismo iria me adaptar muito bem com os pneus 700c. Eles rodam melhor na estrada, etc. Mas por uma questão de gosto grana mesmo, optei por adaptar minha mountain bike e aí segui com as rodas 26" mesmo.

Acampar ou dormir em albergues?

Se sua viagem tem que ser a mais econômica possível, com certeza você deve acampar. Um camping na Europa sai em torno de 5 a 10 euros, contra 20 a 25 euros a diária de um albergue. Em contrapartida, você terá que transportar na sua bike todos os utensílios de cozinha, barraca e saco de dormir, entre outros acessórios. A bagagem pode dobrar de peso por isso. Quem acampa também tem que acordar mais cedo pra ter tempo de desmontar a barraca, preparar seu café da manhã, limpar o que for preciso e colocar tudo de volta na bike pra seguir adiante. Isso sem contar na diferença de conforto entre dormir numa barraca e num quarto com uma cama, depois de um dia inteiro de pedalada.

Penso que o acampamento é útil, necessário e obrigatório em alguns lugares do mundo como, por exemplo, o deserto do Atacama, da Mongólia ou no interior da Austrália. As distâncias são longas, as cidades distantes umas das outras e o acesso à tudo é muito difícil. Nesses casos em que o cara tem que ser auto-suficiente, o camping faz todo o sentido. Como minha viagem não tem essas características, optei por viajar com pouco peso e me hospedar em albergues. Pretendo fazer, no futuro, uma viagem em que eu vá preparado pra acampar também.

Comprar a bike no exterior ou adaptar uma aqui?

Essa dúvida ficou na minha cabeça por um bom tempo. Comprando a bike no exterior eu teria a possibilidade de comprar um modelo próprio para ciclotour (que não existe no Brasil) e, claro, pagar mais barato. Por outro lado, isso me consumiria alguns dias indo em lojas e fazendo acertos básicos na bike antes de começar a viagem, exigiria que as medidas da bike fossem exatas pro meu tamanho de forma que eu não sofresse com dores durante o pedal e, o principal, eu teria que estar adaptado a pedalar numa bike com essa geometria diferente. Eu teria treinado 6 meses no Brasil com um tipo de bike, posição e pegada pra chegar lá e fazer a viagem numa bike bastante diferente com o que eu estava acostumado aqui. Não queria ter surpresas com isso por lá. Como iria acabar tendo que adaptar algumas coisas pra que a bike nova ficasse com medidas como as daqui, optei por adaptar a mtb aqui mesmo e contar com a vantagem de ir com uma bike com a qual eu já estaria familizarizado. A melhor bike seria aquela que meu corpo já conhecesse.

Comprar peças de bike (racks, alforjes, etc) no Brasil ou do exterior?

Olha, fiz MUITA conta pra saber qual opção valia mais a pena. De uma forma geral, tudo que você compra do exterior, pela internet, costuma sair um pouco mais caro do que aqui. Algumas vezes sai bem mais caro e algumas vezes sai bem mais barato e aí eu acho que uma coisa compensa a outra. A grande vantagem é que comprando no exterior você tem acesso a produtos que NÃO estão a venda no Brasil, você pode escolher exatamente o produto que quer (porque a oferta de produtos por lá é muito maior, são muito mais opções), o atendimento costuma ser melhor que no Brasil (o site tem todas as informações detalhadas dos produtos e o atendimento é bem eficiente) e a entrega costuma ser bem rápida (uma ou duas semanas, mesmo no envio standard). Os sites que usei foram: Wiggle.co.uk, JensonUsa.com, ChainReactionCycles.com e Evanscycles.com.

Minha sugestão é que você pesquise bastante, use o Google, acesse os fóruns do Brasil e do exterior pra saber se tal produto é recomendado e compre, sem medo. Essas empresas estão no mercado a muito tempo e estão preparadas pra vender pro mundo todo. A estrutura deles é muito boa e eficiente. O único porém é que o produto pode ser taxado pela Receita Federal ao chegar aqui no Brasil. Sempre que sua encomenda for taxada, além de sair mais caro, ela demorará bem mais para chegar na sua casa. O cálculo do imposto de importação é feito da seguinte forma:

Valor final que você vai pagar = Valor total da encomenda (incluindo frete) + 60%

Exemplo: você compra um produto de USD 150 e a loja te cobra USD 20 de frete internacional, dando um total de USD 170. Adicione 60% de imposto (USD 102). O valor total é USD 272. Com base na cotação do dólar de hoje, você vai ter pago, no fim das contas, algo em torno de 480 reais.

Se você tiver sorte, pode ser que algumas das compras sejam isentas de imposto pois a Receita não tem condição de taxar tudo o que chega. Eles selecionam as encomendas por amostragem. Pode ser que você faça 5 compras e apenas uma seja taxada. Pode ser que você faça 5 compras e todas sejam taxadas. Vai depender exclusivamente da sua sorte. Quanto mais baixo o valor, maior a chance de isenção já que a Receita deve se preocupar mais com itens de maior valor. Mas nada garante que um produto de USD 20 não seja taxada. O ideal é que SEMPRE que você for comprar um produto, em qualquer um desses sites, faça as contas como se você fosse pagar o imposto, inclusive pra efeito de comparação de preço com as lojas do Brasil. Isso evita surpresas e frustração com as compras e você estará preparado pro pior caso. Se for isentado, ótimo! Mas não conte com isso.

Espero ter ajudado!

Até mais!

6 comentários:

  1. Olá Fernando,seu blog tá ótimo.
    Também sou cicloviajante e tenho o sonho de viajar pela Europa.Gostaria de saber quanto gastará para fazer essa viagem.Quero ir à França com minha noiva,temos uma bike tandem e é com ela que iremos viajar.Outra dúvida que temos é sobre o idioma.Voce fala quantos?
    Abraços e parabéns pelo blog,estaremos sempre te acompanhando por ele.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Walterson! Valeu pelo elogio!

    Muito legal sua ideia. Há quem diga que a França é o melhor lugar do mundo pro cicloturismo então vocês irão para o lugar certo!! :o)

    Quanto aos custos, estou estimando algo em torno de 40 a 50 euros/dia, em média, incluindo hospedagem e alimentação. Inclua aí a passagem aérea (de 800 a 1000 dólares por pessoa, dependendo da época) e os custos de alguns acessórios pra bike caso você precise (alforges, roupas, etc). Se vocês viajarem por 3 semanas (que considero o período mínimo pra uma viagem dessa valer a pena), isso dá algo em torno de R$ 3500 a R$ 4000 por pessoa. O fato de vocês irem em duas pessoas torna a hospedagem mais barata do que pra um cara sozinho como eu, então os custos podem ser um pouco mais baixo do que esses que eu falei.

    Quanto à tandem, acho que deve ser bem legal dar um rolê desses com uma dessa!! Ehehehhe... Só veja com a cia aérea pois até onde eu sei, por causa do tamanho, não tem como você despachar como uma babagem convencional e tem que pagar uma taxa extra de transporte.

    Quanto ao idioma, falo inglês com boa fluência e arrisco umas frases básicas em alemão, italiano e espanhol, como "bom dia, por favor, obrigado, onde fica tal coisa" e algumas palavras básicas em cada uma dessas línguas. Acontece que nem todo mundo fala inglês por lá. De qqer forma, o inglês já resolve 99% dos problemas de comunicação que você pode enfrentar por lá. O 1% vc resolve na mímica mesmo, se for o caso... rsrs

    Espero ter ajudado e torço pra que sua viagem se concretize! Qqer coisa tamos aí!

    Abs,
    Fernando

    ResponderExcluir
  3. Valeu pelas dicas Fernando.Já tenho alforges traseiros e só falta comprar os dianteiros.Quanto ao transporte da bike já estou preparado pra "facada" que vou levar da companhia aérea.
    Minha noiva já está fazendo curso de francês e eu tenho que fazer um de inglês.
    Abraços e feliz ano novo

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo blog.Está muito bem elaborado.Sou Andrea a noiva do Walterson.Também fizemos um blog da última cicloviagem que fizemos.www.pedalandonareal.blogspot.com.Pedalamos também com um banco Brooks do modelo Flyer diferente do seu.Fiz apenas um pedal com ele porque depois de cento e tantos kms não suportava nem encostar nele.Nunca havia sentido tanta dor.Ao contrário,meu noivo não teve problemas com ele.Sugiro que faça uns pedais com ele antes de viajar.Só para garantir.Outra sugestão é comprar o creme próprio da marca para passar no banco.Pagamos cerca de 50 reais.Assim ele desliza melhor.E pode ser aproveitado também para outros bancos,caso opte por viajar com outro.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Walterson e Andrea

    Depois me diga qual dianteiro vc comprou.

    Qto às línguas, uma viagem assim é uma oportunidade e tanto pra aprender uma a mais, né? Tbm quero ver se aprendo um básico de francês, pois vou precisar!

    Feliz ano novo pra vcs tbm!

    Abs

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pelo Blog... li e gostei do que li!!!
    Mesmo sendo uma postagem de 2009, o conteúdo ainda é atual!!!
    Começar a planejar o futuro e seu site é muito útil.

    Cicloabraços
    Joãozinho

    ResponderExcluir